Padronização e segurança de dados

Mas a ligação em rede vai ainda mais longe. Rainer Buchmann, diretor executivo da SSI SCHÄFER Automation GmbH, dá um exemplo: “Uma encomenda que sai de um armazém pode incluir todas as informações necessárias: conteúdo, status, destino, origem, etc. A informação é de tal forma detalhada, que a encomenda pode “informar” a transportadora, em que local do seu percurso ele deverá ser descarregado e qual o melhoracondiciona local para carregá-lo.”

Isto significa que é necessária uma troca de dados entre as empresas envolvidas. É neste momento que surge uma série de obstáculos. Os maiores são a falta de padronização e de segurança dos dados.

“A troca de dados entre diversas empresas é necessária ao longo de toda a cadeia de valor agregada ao produto”, explica Thilo Jörgl, editor-chefe da revista especializada Logistik heute. “As empresas que oferecem sistemas fechados em termos de intralogística terão problemas, visto que dificultam ou até mesmo evitam essa troca de dados.”

A padronização dos sistemas é absolutamente essencial na era da Indústria 4.0. “Muito em breve o mercado irá exigir padrões abertos”, afirma Rainer Buchmann com convicção. “No entanto, a questão da segurança de dados ainda permanece sem solução. Por esse motivo, uma padronização nesse âmbito deveria ser abrangente para todas as empresas.”

Já existem algumas iniciativas lançadas por parte de empresas e do Governo Alemão, visando lidar com este problema. No que diz respeito aos dados, estes deixam de ser armazenados apenas no próprio servidor da empresa, passando a estar disponíveis também na nuvem, outro elemento essencial da Indústria 4.0. 

[---Error_NoJavascript---]